Tagged: Papa Francisco

Cardeal Schönborn: Amoris Laetitia é o grande texto de moral que esperávamos

Amoris-Laetitia-card.-Schoenborn-superata-la-divisione-tra-regolare-e-irregolare_articleimage

Publicado no Suplemento Igreja Viva (14/07/2016) do Diário do Minho

Desde a publicação, e mesmo antes, da Exortação Apostólica Pós-Sinodal Amoris Letitia (A Alegria do Amor) que muita tinta tem corrido sobre a possibilidade de os católicos que se divorciaram e recasaram civilmente poderem receber a comunhão. Leu-se e lê-se de tudo um pouco. Na maior parte dos casos as análises e interpretações do parágrafo 300 e notas de rodapé 336 e 351, que fazem explicitamente referência à questão, dizem mais sobre o estado de espírito de quem as comenta do que propriamente do conteúdo do texto. Há os que estão em estado de negação, há os que estão numa situação de bloqueio mental, há os que estão reféns das posições rígidas que foram tomando ao longo de dois sínodos, há também muita desonestidade, há, sobretudo, muita falta de amor, recebido e oferecido. Continue reading

Há qualquer coisa que não está a funcionar no jornalismo

Papa Francisco dá uma conferência de imprensa na viagem de regresso da Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro, Brasil.
Papa Francisco dá uma conferência de imprensa na viagem de regresso da Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro, Brasil.

Publicado no Suplemento Igreja Viva (30/06/2016) do Diário do Minho

Uma viagem papal é sempre um acontecimento mediático. Aguarda-se com expectativa a recepção ao papa, os encontros ao mais alto nível, os discursos, as suas posições relativamente a matérias controversas e/ou polémicas, os gestos, enfim, tudo é seguido, escalpelizado ao pormenor pelas principais agências de notícias internacionais e jornalistas de todo o mundo. Com Francisco elas ganharam um novo motivo de interesse: as conferências de imprensa sempre realizadas no voo de regresso a Roma. E por vários motivos. O primeiro deles é que se trata de uma verdadeira conferência de imprensa, não uma simulação. Ou seja, os jornalistas podem colocar livremente as questões, sem que estas sejam selecionadas previamente pelo director da sala de imprensa e/ou seus assessores. Depois, porque o papa não se escusa a responder a nenhuma pergunta, mesmo as mais incómodas. Tudo acontece em directo, em primeira mão, de uma forma livre e espontânea. Continue reading

Diaconisas na Igreja? A pergunta é mais importante do que a resposta

le-pape-francois-ouvre-la-voie-a-des-femmes-diacres

Publicado no Suplemento Igreja Viva (26/05/2016) do Diário do Minho

Ainda às voltas com apresentações, interpretações e implicações pastorais da Exortação Pós-Sinodal Amoris Laetitia, e já o Papa Francisco lança mais um assunto eclesialmente controverso: a constituição de uma Comissão para estudar a possibilidade do diaconado feminino. Francisco não dá sinais de abrandar o seu ímpeto reformador. O inesperado anúncio aconteceu durante a XX Assembleia Plenária da União das Superioras Gerais, no passado 12 de Maio, no Vaticano, na sequência de uma sessão de perguntas e respostas entre Francisco e as religiosas. Continue reading

Amoris Laetitia

1460164145059

Publicado no Suplemento Igreja Viva (21/04/2016) do Diário do Minho]

Nota prévia. A Exortação Apostólica Pós-Sinodal Amoris Laetitia (Alegria do Amor) arrisca-se a ser mais um daqueles textos que todos citam mas que poucos leram. O que se segue é apenas convite à leitura integral do documento. Continue reading

GeoConfess, a Uber da confissão

66bc6df25976b9ad946a576fd825a4f94f384e64
Com GeoConfess encontre rapidamente uma confissão perto de si

“Primeiro estranha-se, depois entranha-se”. O slogan do primeiro anúncio da Coca-Cola em Portugal (1928), criado por Fernando Pessoa (ainda que por razões políticas tenha ficado apenas no papel), bem que se poderia aplicar às aplicações para telemóvel e/ou tablet destinadas à eclesiosfera. Continue reading

Diplomacia: a misericórdia como processo político

Pope Francis addresses a joint meeting of Congress on Capitol Hill in Washington, Thursday, Sept. 24, 2015, making history as the first pontiff to do so. Listening behind the pope are Vice President Joe Biden and House Speaker John Boehner of Ohio. (AP Photo/Pablo Martinez Monsivais)
Pope Francis addresses a joint meeting of Congress on Capitol Hill in Washington, Thursday, Sept. 24, 2015, making history as the first pontiff to do so. Listening behind the pope are Vice President Joe Biden and House Speaker John Boehner of Ohio. (AP Photo/Pablo Martinez Monsivais)

É inegável o interesse com que nestes últimos tempos a comunidade internacional segue o pontificado do papa Francisco e a actividade diplomática da Santa Sé. Aliás, nesta mesma coluna já tivemos a oportunidade de aflorar o modo como o papa tem vindo a liderar e a definir a agenda internacional, sobretudo a partir da encíclica Laudato Si’. A tal ponto que hoje para um político, independentemente do quadrante político em que se situa, o melhor argumento de autoridade é mesmo citar o papa. Ainda que a tentação de instrumentalizar as suas palavras seja grande. Continue reading

Bose: onde a utopia da unidade dos cristãos é um lugar

Captura de ecrã 2016-01-20, às 19.00.37
Enzo Bianchi, priore da Comunidade Monástica de Bose e Sua Santidade Bartolomeu, Arcebispo de Constantinopla e Patriarca Ecuménico. © foto Monastero di Bose

Quando se aborda a questão da unidade dos cristãos Enzo Bianchi é uma das personagens incontornáveis do mundo católico. Uma referência. Não por acaso o papa Francisco nomeou-o consultor do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos. Continue reading

O nome de Deus é misericórdia e um cristão está sentado na cátedra de Pedro

Italian actor Roberto Benigni and Cardinal Piero Parolin arrive for the presentation of the book ' The name of God is Mercy' (Il nome di Dio e' Misericordia), Rome, Italy, 12 January 2016. ANSA/ETTORE FERRARI
Italian actor Roberto Benigni and Cardinal Piero Parolin arrive for the presentation of the book ‘ The name of God is Mercy’ (Il nome di Dio e’ Misericordia), Rome, Italy, 12 January 2016. ANSA/ETTORE FERRARI

[publicado no suplemento Igreja Viva (14.01.2016) do jornal Diário do Minho]

Com o papa Francisco não há surpresas. É um homem previsível. E não falo da previsibilidade da imprevisibilidade. Embora estejamos consciente ou inconscientemente convencidos do contrário. Passados quase três anos da sua eleição, relendo à distância o seu primeiro Angelus de 17 de Março de 2013, e passando pontificado em revista, a misericórdia está ali, preto no branco, como programa do pontificado. E Francisco é previsível porque o seu pontificado, mesmo em contínuo discernimento, desde o início, é tão simples, claro, concreto e profundo quanto é o Evangelho. A estupefacção perante os gestos, as escolhas e os discursos, essa imprevisibilidade que faz notícia, abre telejornais, gera gostos e partilhas nas redes sociais existe em grande parte porque se ignora o Evangelho. Ignora-se o cristianismo. Ignora-se que na cadeira de Pedro está um cristão, para pedir emprestadas as palavras a Hannah Arendt. A filósofa política alemã de origem judaica, no seu livro Homens em tempos sombrios, tem um texto extraordinário sobre o Papa João XIII intitulado Angelo Gisuppe Roncalli: um cristão no trono de São Pedro de 1958 a 1963. Com ironia, a discípula de Heidegger interrogava-se como era possível que um cristão se sentasse na trono de São Pedro. Perguntava ela, a propósito de João XXIII: “Ele primeiro não teve de ser indicado bispo, e arcebispo, e cardeal, até ser finalmente eleito como papa? Ninguém tinha consciência de quem ele era?” Pelos vistos não. Continue reading

Os três santos de Bangui

Captura de ecrã 2015-11-26, às 11.22.22

[publicado no suplemento Igreja Viva (26.11.2015) do jornal Diário do Minho]

O Papa Francisco iniciou, ontem, a sua primeira visita apostólica em África e a 11ª do seu pontificado. Até 30 de Novembro, dia em que termina a visita, o pontífice visita três países: a República Centro-Africana (RCA), o Quénia e o Uganda. Todos os três já visitados por João Paulo II, e o Uganda por Paulo VI.

A viagem acontece numa altura em que o tribunal do Vaticano julga cinco pessoas por alegadamente terem divulgado documentos internos, reservados, sobre as finanças do Estado. Contemporaneamente, a Europa vive em permanente sobressalto com a maior ameaça terrorista da última década. Perante este cenário somos tentados a pensar que a viagem será relegada para segundo ou terceiro plano na agenda mediática. Continue reading

Nem sim, nem não. Caso a caso

sinodo-de-la-familia

[publicado no suplemento Igreja Viva (29.10.2015) do jornal Diário do Minho]

Cinco dias passados da conclusão do Sínodo da família, já todos percebemos que não ficou tudo igual nem tudo na mesma. Mesmo com todas as tentativas confrangedoras, diga-se de passagem, de minimizar o significado e o alcance do documento final. A aprovação dos parágrafos 84, 85 e 86, que dizem respeito ao discernimento e integração dos divorciados recasados, caso a caso, com a maioria qualificada de dois terços, foi rapidamente alvo de desqualificação por uma minoria, essa sim, supostamente qualificada. A desvalorização do êxito da votação final é fácil de explicar e de entender. Não há empate técnico que salve a face de quem entrou na lógica de vencedores e vencidos ou da famigerada metáfora do sínodo como se de um jogo de futebol se tratasse. Já para não falar de algumas crónicas pejadas de ironia corrosiva de fazer corar qualquer pessoa com um mínimo de bom senso e que tinham como alvo famílias feridas pelo divórcio. Mas também houve quem imprudentemente se apressasse a apresentar as conclusões do sínodo, antes mesmo de entrar na aula sinodal. Atitude que além de manifestar um claro deficit de diálogo ignora o significado de uma igreja sinodal que o Papa Francisco define como: «uma Igreja da escuta, ciente de que escutar “é mais do que ouvir”. É uma escuta recíproca, onde cada um tem algo a aprender. Povo fiel, Colégio Episcopal, Bispo de Roma: cada um à escuta dos outros; e todos à escuta do Espírito Santo, “o Espírito da verdade” (Jo 14, 1), para conhecer aquilo que Ele “diz às Igrejas” (Ap 2, 7). Continue reading