Papa Francisco define agenda internacional

Time_2015.09.28_Asia página 1

[publicado no suplemento Igreja Viva (24.09.2015) do jornal Diário do Minho]

Uma nota prévia. Tinha em mente escrever sobre a viagem apostólica do Papa Francisco a Cuba e aos Estados Unidos. Afinal, este é assunto religioso da actualidade. Mas, convenhamos, o sucesso das viagens estava garantido antes mesmo do avião papal descolar. A viagem a Cuba foi, essencialmente, um momento celebrativo da diplomacia vaticana que, sob a batuta de Francisco, facilitou a restabelecimento das relações diplomáticas entre Havana e Washington. Já no que diz respeito à viagem aos Estados Unidos, essa sim com mais motivos de interesse, quer a nível político quer religioso, a festa inicia com a família Obama a estender a passadeira vermelha a Francisco, ao recebê-lo na base aérea militar de Andrews. Uma honra reservada a convidados muito especiais. É certo que os discursos na ONU e no Congresso — onde pela primeira vez um papa discursará — bem como a homília na missa de encerramento do Encontro Mundial das Famílias, em Filadélfia, estão a gerar grandes expectativas. A recepção à encíclica Laudato Si, da parte da direita política estadunidense, não foi de todo positiva Continue reading

Jovens, pirotecnia pastoral e lábios cheios de sede

selfie-papa[publicado no suplemento Igreja Viva (17.092015) do jornal Diário do Minho]

Já não me lembro bem do que falávamos, mas recordo a pergunta do padre Álvaro que veio a talhe de foice: “Qual é a missão de um pároco?”. Após um longo silêncio e uma expressão facial de quem não faz a mínima ideia da resposta, o irmãozinho de Charles de Foucauld lá veio em meu auxílio: “evangelizar duas gerações de jovens”, respondeu ele.

O padre Álvaro bem sabe do que fala. Pelas mãos deste antigo formador de candidatos ao sacerdócio, em Itália, e ex-pároco, já passaram centenas jovens e a alguns conquistou para Cristo. Continue reading

Dez livros para as férias

ferias-e-livros-1080x400Mas não necessariamente para serem todos lidos em férias. Uma proposta para quem não dispensa um bom livro no momento do ano em que se tem mais tempo livre para meter a leitura em dia. Os livros são apresentados segundo a ordem alfabética do nome do autor.

Se deseja comprar o livro basta clicar no título para ser redireccionado para uma livraria online.

Alessandro ManzoniOs Noivos, Lisboa: Paulinas Editora, 2015. Não podia faltar na lista um clássico. O romance I promessi sposi (Os Noivos) de Manzoni, depois da Divina Comédia de Dante, é o maior clássico da literatura italiana. A tradução portuguesa de José Colaço Barreiros é um dos acontecimentos editoriais do ano.

Austein IvereighFrancisco o grande reformador. Os caminhos de um Papa radical, Amadora: Editora Vogais, 2015. Escreve a vaticanista Aura Miguel no prefácio: “Em jeito de comparação automobilística, arrisco-me a dizer que esta obra está para os outros livros sobre Francisco como a construção de um Rolls-Royce está para a de um carro utilitário”. Está tudo dito! Continue reading

As uniões gay são uma ameaça à família?

Dimensões do diálogo de Jan Švankmajer
Dimensões do diálogo de Jan Švankmajer

[publicado no suplemento Igreja Viva (9.7.2015) do jornal Diário do Minho]

«Não é impedindo os gay de se casarem — ainda que a Igreja não esteja de acordo com o matrimónio homossexual — ou negando as uniões civis que nós salvaremos as nossas famílias». Não, a frase não é da autoria do cardeal Walter Kasper ou do presidente da Conferência Episcopal Alemã Reinhard Marx, nem de um qualquer padre ou leigo progressista ou pro-gay. A afirmação é do padre Mauro Leonardi, um sacerdote do Opus Dei, assim, tal e qual, sem tirar nem pôr.

Num artigo de opinião publicado no jornal online La croce quotidiano, don Mauro, comenta e discorda a propósito da imponente manifestação (cerca de 1 milhão de participantes), do passado 20 de Junho, em Roma, de famílias católicas contra as uniões civis homossexuais e a propaganda da teoria de género nas escolas italianas.

Segundo o sacerdote italiano, a crise da família tradicional não se deve nem às uniões civis nem ao matrimónio das pessoas homossexuais. «A família está em crise porque nós — nós católicos — imbuímo-la de individualismo, de falsas necessidades, de consumismo, de resignação que depois se transforma em reivindicação», escreve o padre Mauro. E continua, «a família está em crise não porque há pessoas homossexuais, mas porque, talvez, sejamos nós, pessoas católicas e heterossexuais, a traí-la em primeiro lugar, ou então a não honrá-la plenamente». Continue reading

Laudato si’, o acto número um para uma nova civilização

edgar_morinEmbora se use em demasia, a expressão “não deixa ninguém indiferente” é acertada para aplicar a Laudato Si’. A carta encíclica do Papa Francisco Sobre o cuidado da casa comum não só não suscita indiferença, como se tem mostrado capaz de mobilizar a adjectivação mais veemente dos que teriam preferido que ela não tivesse sido escrita ou dos que a aplaudem sem reservas.

O Papa Francisco é “a pessoa mais perigosa do planeta”, disse Greg Gutfeld, comentador da Fox News, uma conhecida cadeia de televisão dos Estados Unidos da América. Poderá tratar-se apenas de uma frase de efeito, um daqueles sound bites que servem para alguém se fazer notar, mas é portadora de um incontornável valor sintomático. Será muito pouco menos do que isso o que uns quantos pensarão sem coragem para o afirmarem em voz alta. Continue reading

Arcebispo de Braga tem razão e os políticos não estão errados

Jorge-Ortiga1A passada semana foi, anormalmente, política e religiosamente inspiradora. «Espero não ser castigado pelo meu pároco por dizer isto, mas não deixarei que os meus bispos, os meus cardeais ou o meu Papa me ditem a política económica» disse Jeb Bush, quando questionado sobre a recente encíclica do Papa Francisco, na abertura oficial da sua campanha à presidência dos Estados Unidos. Jeb Bush é um católico convertido há 25 anos, irmão de George Bush, ex-presidente dos Estados Unidos, e um dos candidatos do Partido Republicano à Casa Branca.

 

No mesmo dia, quarta-feira, 17 de Junho, Paulo Rangel, católico e eurodeputado do PSD, apresentou no Porto, mais concretamente no Palácio da Bolsa, o livro Jesus e a política: Reflexões de um mau samaritano, e pregou, segundo reza a crónica do Público, um Jesus que «não tinha projecto político, mas era um provocador político». Sexta-feira, D. Jorge Ortiga, na apresentação à comunicação social da Laudato Si, cometeu o «atrevimento», nas palavras do Arcebispo, de propor aos partidos políticos que incluíssem as preocupações da encíclica nos programas eleitorais das legislativas. As declarações feitas à RTP foram replicadas na página do Facebook da Arquidiocese e suscitaram um animada discussão na rede social, provocada por católicos e não católicos que questionam a legitimidade da Igreja «se meter em política ou economia». Continue reading

Encíclica Laudato Si ou a parábola de Lázaro e o homem rico

É necessário recuar a 25 de Julho de 1968, data em que foi publicada a encíclica sobre a regulação da natalidade, Humanae Vitae, escrita por Paulo VI, para se encontrar tanta expectativa, polémica e contestação em torno de um documento papal. A encíclica ecológica Laudato Si (Louvado sejas) do Papa Francisco, publicada hoje, entrará para a história como sendo a primeira a ser duramente criticada antes mesmo de o texto ser conhecido.

Continue reading

O que é e o que deixa de ser notícia

#QuemLiga“O problema não é o que vira notícia, mas o que deixa de ser”. O slogan de o Teto, uma Organização Não-Governamental brasileira, tem um objectivo muito simples: chamar a atenção para o contraste entre a imensa quantidade de notícias sobre o mundo das celebridades e a invisibilidade mediática de milhões de brasileiros que vivem na pobreza extrema (são 16 milhões, segundo as contas de o Teto). Para tornar mais acutilante a natureza deste contraste, o Teto está a promover uma campanha que apresenta fotografias de mulheres e de homens de Guarulhos, a segunda cidade mais populosa do estado de S. Paulo, que vivem em condições de pobreza, a segurar cartazes artesanais com manchetes de notícias sobre famosos. Continue reading

Se a vida te dá limões, faz limonada

FranciscoFamilia_LOsservatoreRomano“Todas as famílias felizes se parecem umas com as outras, cada família infeliz é infeliz à sua maneira”. O incipit do clássico da literatura Anna Karénina de Lev Tolstoi é tomado a sério pelos jornalistas no momento de noticiar a família. As famílias “normais” raramente são notícia e nunca abrem telejornais. Esse espaço está reservado para as “disfuncionais”. Em termos mais prosaicos, em jargão jornalístico, a expressão anglo-saxónica “Bad news is good news” (más notícias são boas notícias) sintetiza bem a frase que só a mestria e a genialidade de Tolstoi podiam cunhar. Continue reading